CFKappa é daqueles MC difíceis de descrever pela grandeza da sua criação.

Ticker

6/recent/ticker-posts

CFKappa é daqueles MC difíceis de descrever pela grandeza da sua criação.

2021 AINDA NÃO ACABOU MAS CFKAPPA JÁ TRANCOU O ANO COM “UBUNTO”

CFKappa é daqueles emcees difíceis de descrever pela grandeza da sua criação. Quase irritantemente talentoso, Cláudio Kiala, ou simplesmente Kappa, é um rapper e compositor cujo carisma parece ser inesgotável. 

Provas da anterior afirmação vêm das últimas “novas”; com o lançamento nas plataformas de streaming da faixa “Ubunto”,  primeiro single promocional do álbum Negro, já disponível em pré-venda na Soba Store.

Neste novo trabalho, CFKappa traz o habitual Kennedy Ribeiro na produção e a BANDA 440 para o acompanhar neste single que sai com o objetivo de dar aquela pitada saborosa do que será o álbum Negro, a lançar em dezembro.

”Ubunto” é uma faixa com a duração de cinco minutos, numa resenha de vários manuais de vivências e realidades narrados por CFKappa.

Ouvindo a música, questionamo-nos se Afrika Bambaataa, poderia imaginar as dimensões que o movimento criado por si tomaria, e termos este feeling ouvindo uma obra feita por artistas lusófonos é um orgulho que rasga o peito.

Por cá na redação, imaginamos que esta nova roupagem também deve-se ao facto de CFKappa ter na sua lista de artistas da Soba Music nomes como Gari Sinedima, Selda e Kizua Gourgel. Quiçá, à força do convício com estes monstros do Jazz angolano, a sua música esteja beber de novas influencias e sonoridades.

Se fizermos uma retrospetiva do final dos anos ’80 e início dos anos ’90, a influência do jazz ficou mais forte no rap, influência esta que sentimos ao ouvirmos o ritmo e até o género do vocal feito por Marccus 440, acompanhado pelos seus companheiros da Banda 440: P. Luís (Teclado), M.Mendes (Guitarra), L. Laulo (Bateria), J. Estefano (Viola Baixo), P. Piloto (Saxofone).

Devemos aqui realçar também a prestação da Banda 440, uma banda em ascensão em Moçambique, que em desfila classe sonora com o timbre dos seus instrumentos, espelhando um matrimónio harmonioso e duradouro entre o RAP e o Jazz, tendo resultado num produto final que pode fazer inveja a qualquer renomado beatmaker inclinado na vibe boombap.

Ao passo que sentimos uma escolha de CFKappa em homenagear o jazz, como a sua nova fonte criativa, por outro lado, sentimos que o movimento hip hop lusófono sai a ganhar e vê o seu portfólio expandir os seus horizontes com esta vertente musical atualmente pouco comum.

Mauro Aghuas
Mauro Aghuas


 

Enviar um comentário

0 Comentários